Travessia com esperança


1. Memória

O pequeno Juriti tornou-se
o totem da grande Juruti
 
        Depois de 40 anos estou novamente em Juruti/PA onde era pároco de 1967 até 1974. Juruti era uma aldeia dos Mundurucu e tem hoje o nome de um Juriti (pequeno pássaro). Nessa Juruti, desde 1938 definitivamente município e paróquia, nos últimos anos foram encontradas grandes jazidas de bauxita, matéria prima para o alumínio. A Alcoa (Aluminium Company of America) explora essa Bauxita. No ano 2010, 2,6 milhões de toneladas de bauxita foram embarcadas para a Alumar (MA), consórcio de Alumínio do Maranhão, um dos maiores complexos de produção de alumínio primário do mundo. Com a meta de 3,8 milhões de toneladas de exploração anual, a jazida de bauxita jurutiense vai fornecer bauxita por mais de 70 anos.
    
Transporte de bauxita ao porto de Juruti
   O povo local que viu seu solo penhorado pela Alcoa organizou uma luta feroz por sua participação no lucro da empresa, por compensações e mitigações. Um pacato município de 18.684 habitantes, em 1970, dobrou sua população até 2006, ampliou sua infraestrutura e vive do fascínio e temor do progresso. Juruti é um bom exemplo da crescente desindustrialização da economia brasileira. Assiste-se ao crescimento da economia baseada em produtos primários, a denominada commoditização ou ainda reprimarização da economia, com o avanço do agronegócio e da mineração. A pauta brasileira de exportações é feita, sobretudo, de produtos básicos, de commodities e mercadorias de baixa tecnologia, por outro lado, cresce a pauta de importação de bens manufaturados. A desindustrialização precariza o mercado de trabalho, porque os melhores salários encontram-se na indústria de bens manufaturados. Trabalhadores qualificados, a Alcoa traz de fora.
Luta organizada pelos direitos na frente da Matriz
      Hoje estou de passagem nessa Juruti para falar a padres diocesanos alemães, que trabalham no Brasil, sobre a “Opção pelos Pobres”. A Encíclica Fidei Donum (1957), de Pio XII, lembrou os bispos católicos de sua responsabilidade missionária universal. Na época, com 19 anos de idade, não imaginava que dez anos mais tarde estaria como padre diocesano no coração da Amazônia. Os heróis da minha juventude eram Albert Schweitzer e Mahatma Gandhi, médico no hospital de Lambarene, na costa ocidental da África, teólogo e Prémio Nobel da Paz (1953), e Gandhi, o libertador pacífico da Índia, o Davi que venceu o Golias colonizador.
     Durante o concílio Vaticano II (1962-1965) terminei meus estudos de teologia na Universidade de Munique, uma teologia distante da realidade social do mundo e segura de si mesma. Depois do Concílio, que superou a proposta missionária tradicional de "rezar e fazer coletas para salvar as almas de pagãos", a Igreja particular assumiu uma responsabilidade missionária mais ampla. Poucos meses depois da minha ordenação sacerdotal, em novembro de 1964, Dom Floriano Loewenau, bispo-prelado de Óbidos, no Baixo Amazonas, acerta com meu bispo de Augsburg, Joseph Stimpfle, minha liberação para a Amazônia Brasileira. Na conversa a dois, Dom Floriano foi muito pragmático. "Eu vou lhe dar a paróquia de Juruti, 10 mil km2, 20 mil habitantes. Seria bom vir com mais um ou dois colegas. Também um médico poderia desenvolver um bom trabalho. No município de Juruti não tem médico, nem água encanada, nem luz elétrica. Você será o primeiro não franciscano na Prelazia de Óbidos que abrange uns 200 mil km2. Somos apenas dez padres, alguns já bastante idosos." 
Da. Valmira, antigamente
lavadeira da casa paroquial
A conversa com o bispo e a perspectiva de articular missão e desenvolvimento, o trabalho de leigos/leigas e sacerdotes e o entrosamento da diocese que envia com a diocese que acolhe, me deixaram bastante animado. Procurei logo constituir uma equipe, segundo a orientação do bispo.

2. Envio

   No dia 23 de setembro de 1966, o bispo de Augsburg enviou-nos canonicamente à missão: uma enfermeira e dois sacerdotes. No dia 10 de outubro chegamos com o cargueiro "Liebenstein" em Belém do Pará. Após alguns meses de aprendizado do português, a partir de fevereiro de 1967 estávamos em Juruti, na beira do rio Amazonas, uns mil km de sua foz. Chegamos de longe – Martha, a enfermeira, Pedro, o colega de seminário e eu - e sem conhecimento profundo da história e da cultura do país e da região que seria o nosso campo pastoral para os próximos anos. Aprendi de novo a fazer perguntas, ter dúvidas e conviver com elas. O diálogo com as culturas nos revela que a cada pergunta, que a vida faz, existem múltiplas respostas. A passagem de uma teologia de respostas para uma teologia de perguntas configura um tremendo "choque cultural". Aprendi que o binômio "missão e desenvolvimento" não rompe com a visão nem com a prática colonial de 500 anos. Era fácil conseguir para o "nosso" desenvolvimento o aval do povo, que encontrou os modelos de seu progresso na cidade mais próxima. 
Da. Teó com 98 anos
Éramos aplaudidos com as construções que levantávamos sem cessar: ambulatórios, escolas, capelas, casas, centros sociais. Os remédios da nossa enfermeira foram considerados milagrosos. Fizemos semanas catequéticas e cursos para enfermeiras leigas, abrimos novos núcleos de evangelização e as sacristias se tornaram pequenos postos de saúde. 

A enfermeira salvou muitas vidas, a escola
Da. Júlia, a grande enfer-
meira dos anos 70, hoje
praticamente cega
paroquial alfabetizou muitas crianças e celebramos muitas missas. Batizamos anualmente até 800 crianças. Na Amazônia tudo é imenso e fugaz. Mais tarde eu compreenderia que o paradigma "missão e desenvolvimento" é insustentável sem o binômio "libertação e inculturação". A "libertação" reflete a inserção macroestrutural da missão e a "inculturação" prioriza a dimensão sociocultural de todas as atividades e a continuidade das atividades missionárias pelos agentes locais. Quando continuei a minha travessia por Manaus (Cenesc), Brasília (Cimi) e São Paulo (Fai/Itesp), deixei o padre Afonso Blumenfeld e as Irmãs Franciscanas de Maristela em Juruti, Até hoje deram continuidade ao trabalho pastoral iniciado pelos franciscanos.

3. Passagem
               
2011: Carnaval do Movimento
 Carismático Católico
       Hoje, o bispo de Óbidos é o franciscano Dom Bernardo Bahlmann, com quem convivi oito anos no convento São Francisco de São Paulo. Em Juruti continua o servo fiel padre Afonso Blumenfeld com seus companheiros, os padres Fernando, Manuel e o pároco, o padre Rodeney, da Arquidiocese Juiz de Fora (MG), Igreja Irmã da Diocese de Óbidos. Alguns dados estatísticos compilados pela FGV, na base dos respectivos censos do IBGE, apontam para os desafios da nova realidade jurutiense:
- os 18.684 habitantes de 1970 tornaram-se 47.086 habitantes em 2010;
- mais de 50% da população tem entre 0 e 19 anos;
- a renda mensal per capita dos jurutienses, no ano 2000, era de 55,18 reais, e a renda média mensal domiciliar era de 323,90 reais;
- no mesmo ano (2000) contavam-se 25.294 católicos e 5.707 evangélicos no município, espalhados por 158 comunidades católicas e 74 evangélicas;




- ao contrário das promessas feitas antes da implantação, a Alcoa gerou para Juruti, em 2010, apenas 115 empregos diretos; 329 empregados vêm de outros municípios e estados do Brasil; um número maior de 689 pessoas está contratado, em sua maioria, por salários mínimos, através de terceirizações. Também em Juruti, a “Opção pelos pobres” tem muitos rostos.
       Na época da desapropriação do solo, pela Alcoa, o povo se organizou e ganhou lutas parciais através de royalties e mitigações, que não deixem de criar novos problemas nas comunidades. Por falar das comunidades: a paróquia investiu muito na formação e multiplicação de comunidades, em sua maioria sem Eucaristia, mas com um laicato bem preparado para o dia em que a Igreja Católica devolve a celebração eucarística às comunidades para o sustento de sua fé.
       Voltei animado pela vivacidade das comunidades de Juruti e o carinho do povo. Voltei grato pela perseverança das irmãs e dos padres. Também voltei preocupado, com a imensidão de jovens, com a violência e a droga, com o crescimento dos mais variados grupos evangélicos, com a urbanização e a favelização rápidas de uma cidade que teve pouco tempo para preparar-se a esses desafios. Voltei preocupado com a necessidade de padres e irmãs jovens que se comprometem por 10 ou 20 anos a acompanhar essas comunidades de esperança. 
Serão ministros despojados, sem trio elétrico, nesse “último lugar” com o nome de um pequeno pássaro (Juriti), aonde a Boa Nova chega na contramão fluvial.

Um comentário:

  1. MUITO LEGAL PAULO SUESS, SOU DE JURUTI E AMO MUITO A MINHA CIDADE. BRIGADO POR FAZER PARTE DA HISTÓRIA DA NOSSA JURUTI, PARABÉNS!!!!
    JOÉLITO LIMA SAANTOS

    ResponderExcluir